| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Jornal Histórico
Desde: 09/09/2013      Publicadas: 4      Atualização: 20/09/2013

Capa |  Análises Históricas do Brasil


 Análises Históricas do Brasil

  20/09/2013
  0 comentário(s)


"Saio da vida para entrar para a História"

A profunda carta-testamento de Vargas dedicada ao povo brasileiro.


A CARTA TESTAMENTO DE GETÚLIO VARGAS

Sendo uma além de uma forma de análise sobre o tema proposto, este texto pode ser utilizado como complemento em aulas de história, pesquisas escolares, e até mesmo em ser tomado como base para produção de outros artigos onde se aborda o tema da carta testamento de Vargas, ou mesmo sua história de vida e história do Brasil.


INTRODUÇÃO
Vargas foi um presidente do Brasil que governou o país por quinze anos, trazendo grandes mudanças na indústria brasileira, na economia do país, criou várias obras de infraestrutura e, o que mais destacou seu governo, criou leis trabalhistas, cujo melhorou em muito a vida dos trabalhadores brasileiros, trazendo direitos e leis em que se pudessem apoiar.
Em seus últimos meses de vida, Getúlio Vargas sofria grande opressão política por parte da imprensa e militares, a economia do país já não estava muito bem, o que gerou grande descontentamento por parte do povo.
Foi quando, em agosto de 1954, suicidou-se no Palácio do Catete, com um tiro no peito. Deixando uma carta testamento para o seu povo, onde ficou marcada pela frase "Deixo a vida para entrar na história".

O CONTEUDO DA CARTA
Na carta deixada antes do suicídio, Vargas declarou seus profundos sentimentos ao povo brasileiro, agradecendo ao apoio por todos os anos ao seu lado, o reelegendo e estando ao seu lado em decisões que eram importantes para o país.
O ex-presidente desabafa em certo ponto da carta sobre a opressão que estava sofrendo, tanto em suas decisões quanto nas ações. Os que o perseguiam o iam profundamente contra ele quanto ao assunto das ainda mais melhorias que queria implantar para os trabalhadores, o atacavam por ter criado a Petrobrás e Eletrobrás, onde Vargas dizia que esses opressores não queriam que os trabalhadores fossem livres, justamente pelo motivo da maior parte da luta e trabalho onde ele atuou.
Getúlio chega a citar a situação de quando ele assumiu o governo do país e de como ele reverteu a situação, como o lucros absurdos das empresas estrangeiras, que desvalorizavam as nacionais. Citou ainda a crise do café, onde ele mesmo tentou defender o preço do nosso principal produto na época, porém a pressão contra isso foi enorme, e Vargas foi obrigado a ceder.
Em um trecho da carta Vargas diz: "Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida", se referindo aos opressores como aves de rapina, ele quer dizer que prefere que o peguem ao invés de continuar sugando e explorando o povo brasileiro.
No último parágrafo da carta, Vargas se denomina um vitorioso pelo seu ato, contradizendo os que acham que ele saiu como o derrotado da história. Diz ainda que ele próprio era escravo do povo brasileiro, e completa dizendo que esse povo que de quem ele era escravo não vai mais ser escravo de ninguém, oferecendo seu apoio em momentos difíceis que possam encontrar pelo caminho.
Ele encerra a carta com a famosa citação "Saio da vida para entrar para a História", fato indiscutível até nos dias de hoje, onde seu suicídio ainda causa muita polêmica e discução.

CONCLUSÃO

Vargas sem dúvidas foi um dos melhores presidentes do Brasil, se dedicou quase que inteiramente aos direitos do trabalhador, e mesmo antes de seu ato extremo lembrou daquele povo que o apoiou, o povo que ele sempre quis ajudar, mostrando e dedicando seu melhor.
Por várias passagens da carta, é possível ver o sentimento que Getúlio possuía pelo Brasil e seu povo. Seu sentimento era profundo, assim como a revolta contra àqueles que o queria fora do poder, os que o oprimiam.
Para muitos Getúlio Vargas foi covarde ao fugir da luta contra os opressores do seu governo, porém para muitos foi um herói, que sacrificou a sua própria vida para a "libertação" do povo brasileiro, o que fica claramente visível na carta.

PARA SABER MAIS

Caso o texto gere grande interesse sobre o assunto é possível obter maiores detalhes no livro "O Suicídio de Getúlio Vargas" de Hélio Silva, que conta detalhes sobre os últimos anos do governo e de sua vida.





A CARTA

"Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e novamente se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam, e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.
Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre.
Não querem que o povo seja independente. Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder.
Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo, que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar, a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.
Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no pensamento a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão.
E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História."



  Mais notícias da seção Análises no caderno Análises Históricas do Brasil
20/09/2013 - Análises - A Censura No Brasil
Pequeno texto mostrando um pouco da história da censura no Brasil....
20/09/2013 - Análises - República da Espada, Guerra de Canudos e Era Vargas: Datas tão longes, porém tão próximas
Um breve resumo histórico dessas três eras tão importantes para o Brasil....
09/09/2013 - Análises - Obras de Debret
Uma Breve análise de algumas obras do pintor que ajudou a retratar o cenário brasileiro no século XIX....



Capa |  Análises Históricas do Brasil
Busca em

  
4 Notícias